RSS

Arquivo mensal: junho 2011

Pensamento – Joyce Meyer

Eu não estou onde eu deveria estar, mas, eu já não estou onde eu estava. Eu caminhei.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 12 de junho de 2011 em Uncategorized

 

Mediante ao desabafo surge a inspiração

Deus, o tão temível dia que chega para aqueles que estão ao meu redor, chegou pra mim também.

Como a tudo o que é inédito existe uma reação inédita, assim foi.

Parece um “tsunami” que vai levando nossos sonhos e esperanças a esmo.

Não surge murmuração contra Ti. Não aprendi a descontar em Deus as minhas lutas e provações. Apenas peço para entender o mecanismo dessa situação tão incrivelmente difícil.

E a gente enlouquece logo no começo. Achamos que Deus precisa fazer alguma coisa…e rápido.

Por isso que é difícil entender o kairós.

Vai além da nossa compreensão.

Não está sendo uma coroa de espinhos em nossas cabeças e está longe de serem pregos cravados em nossas mãos e pés.

Como o desespero chega rápido. Parece que ele está sempre como em uma largada de corrida. O tiro foi disparado. Corra para resolver essa circunstância.

A ansiedade, a pressa nos afundam em vez de serem possíveis soluções.

Queremos ser a mão do Altíssimo. Geração que erra por não aprender na (e com a) dimensão de Deus.

Respirações ofegantes tal como um touro diante de uma bandeira vermelha. A gente nem percebe o que estamos fazendo. Estamos vendados. Onde iremos chegar mesmo?!

O céu sussurra: Calma!

Se ouvimos, fazemos uma coisa tão natural que a gente esquece as vezes: Respiramos.

Se não compete mais a nós, que tipo de vitória a impaciência produzirá?

Não é mais algo natural se você não consegue resolver.

Tudo entregarei.

Eu vou chorar? Na verdade eu já estou chorando faz tempo.

Faz parte do processo.

Parte do aprendizado de um caminho diferenciado.

Eu já pus as peças que eu podia encaixar nesse quebra-cabeça.

Disse: “Completa, Deus!”

Eu quero a graça da compreensão. A graça da firmeza. A graça da resistência e coragem dobrada.

Não ousarei pedir que esse vento não passe mais sobre mim.

Quando ele vem, as coisas mudam de lugar. Muitas vezes era exatamente isso que precisava acontecer. Quem sabe esse vento seja o próprio Deus movendo-se dentro de nós. Reparando o irreparável. Transformando o intransformável. Teologia do vento.

Quando eu entender a Sua dança transformadora na minha história, eu poderei juntar-me a Ele nessa canção de domínio perfeito e soberana.

Pai, o teu amor tem sido a resposta que eu sempre ansiei saber.

Deixa a luz do Teu rosto resplandecer as 07:00 horas das manhãs de segunda à sexta e nos finais de semana na hora em que eu despertar.

Impossível não te ver, ouvir ou sentir. Tu estás em toda parte. Só preciso estacionar o carro que me incita a permanecer numa velocidade além da permitida.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 12 de junho de 2011 em Uncategorized

 

Reflexão (04/06/11)

Sabe aquela expressão: “Olha, no que eu puder te ajudar…”

Ela tem duas vertentes: A primeira, a pessoa realmente está disposta a ajudar no que for, seja dinheiro, alimento, um ombro amigo, etc.

A segunda demonstra uma intensão, uma pré-disposição de que falou por falar. É uma das coisas que a gente reconhece de cara. Existe algo que não vemos, mas, quando estamos diante dela é tão visível quanto a luz do sol: A sinceridade.

Então, essa pessoa traz um argumento: “Mas eu só ganho “x”! Eu não darei R$ 5,00, pois é muito pouco e isso não irá ajudá-la.” Mas é exatamente nessa situação que ela esquece o valor de uma semente. Diversos tamanhos, diversos formatos. Porque a fé é comparada a um grão de mostarda? Por mais que ela seja a menor das sementes, sua árvore e frutos são majestosos. Quantas sementes menosprezadas porque estamos procurando árvores para plantar. Árvore é o resultado final. Como você chegará lá se não quer passar pelo plantio? Estamos vivendo a geração fast food.

Fala-se muito sobre a MINHA vitória. Eu preciso receber vitória? Claro que sim! Mas existe a do próximo que também deve ser a sua vitória. Ver uma semente germinando e lá na frente dando fruto na vida de alguém é vitória.

Isso não é pra ser feito uma ou duas vezes. Muitos acham que existe uma cota, um limite. Não é semente. São sementes. Isso é afirmar diariamente que o Senhor tem sido o seu pastor e nada lhe faltará.

O início pode ser ínfimo para você, mas o êxito sem dúvida será colhido no final. Chegou o tempo de colher!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 4 de junho de 2011 em Uncategorized